top of page

Outubro Rosa: estamos juntos nessa luta!



O mês de outubro vem chegando ao final e sabemos que essa luta definitivamente não pode cessar. Por isso nós, da Planejados & Cia, apoiando as mulheres nessa causa e buscando conscientizar ainda mais sobre a importância dos exames de prevenção e auto cuidado, convidamos a acadêmica de Enfermagem no Centro Universitário Newton Paiva, Bruna Campidelli, para trazer alguns fatos importantes na prevenção ao Câncer de Mama. Confira!

"Desde o ano de 2002, o outubro rosa é celebrado no Brasil com o objetivo de compartilhar informações e promover a conscientização sobre o Câncer de Mama, além de proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a redução da mortalidade.

  • Cada vez menos mulheres estão morrendo por câncer de mama;

A mortalidade do câncer de mama vem reduzindo nos últimos anos. Esta redução provavelmente é decorrente do aumento nos exames de rastreamento (mamografia e ultrassom de mamas), assim como pela melhora nas terapias adjuvantes (quimioterapia e de radioterapia). O tratamento é mais eficiente quanto mais precoce for o diagnóstico.

  • A maioria das mulheres descobrem o câncer de mama sem sintomas;

Muitas mulheres acham que enquanto não sentirem um “caroço” nos seios estão seguras quanto ao câncer de mama, porém isso NÃO É VERDADE. Em países com programas de rastreamento de câncer de mama (mamografia e ultrassom das mamas) bem estabelecidos como o Brasil, a grande maioria das mulheres descobrem a doença antes de aparecer quaisquer sintomas. Isto reforça a grande necessidade destes exames para garantir a saúde da mulher. Apesar disso, 15% das mulheres descobrem câncer de mama devido a palpação

de um nódulo nos seios mesmo com mamografia negativa para lesão e 30% podem desenvolver um tumor palpável na mama no intervalo entre os exames. Portanto, realizar o autoexame das mamas e ir regularmente ao ginecologista permanece altamente aconselhável.

  • Nem todo nódulo na mama é câncer;

É difícil determinar apenas pelo exame físico (palpação) se um nódulo na mama é maligno (câncer) ou não, porém sabe-se que a maioria dos nódulos mamários em mulheres de 20 a 50 anos são benignos (tecido glandular, fibroso, cistos…). A maioria dos nódulos em mulheres com menos de 30 anos têm causa hormonal e geralmente somem após a menstruação, porém em casos de persistência deverão ser investigados. Para mulheres com mais de 30 anos, todo nódulo mamário deve ser investigado por precaução.

  • O risco do câncer de mama se altera com a idade;

O principal fator de risco para o câncer de mama é a idade, porém, este risco muda de acordo com a faixa etária. O risco de desenvolver câncer de mama (incidência) aumenta rapidamente até os 45-50 anos de idade e, a partir daí, passa a crescer mais devagar. Quando a mulher atinge 75-80 anos, o risco estaciona e passa a reduzir.

  • Homens também desenvolvem câncer de mama;

Apesar do risco nas mulheres ser 100 vezes maior, os homens também podem desenvolver Câncer de Mama. O tratamento é muito similar ao das mulheres e aconselha-se que qualquer homem que note o surgimento de um “caroço” no peito (geralmente diretamente atrás do mamilo) que procure um médico.

  • A cor da pele e etnia influenciam o risco de câncer de mama;

Mulheres com cor branca de pele apresentam o maior risco de desenvolver Câncer de Mama (124 casos por 100.000 mulheres). O risco é menor em mulheres com cor de pele negra (113/100.000), indígenas/vermelha (92/100.000), hispânicas/latinas (90/100.000) e Asiáticas (82/100.000).

  • Mulheres altas têm maior risco de câncer de mama;

A estatura está relacionada ao risco de desenvolver câncer de mama. Estudos têm apontado a um maior risco de desenvolver câncer de Mama em mulheres com mais de 1,75m (69 polegadas) e um menor risco em mulheres com menos de 1,60m (63 polegadas).

  • Gestações e amamentação reduzem o risco de câncer de mama;

Alguns estudos têm mostrado que mulheres com múltiplas gestações prévias (principalmente antes dos 35 anos) apresentam risco menor de desenvolver Câncer de Mama no futuro quando comparadas a mulheres que nunca tiveram filhos. Da mesma forma, quanto mais longo for o período de aleitamento materno (amamentação), maior o efeito protetor contra o câncer.

  • Álcool e cigarro aumentam o risco de câncer de mama;

O tabagismo (hábito de fumar) tanto ativo quanto passivo (conviver com algum fumante / fumar “por tabela”) aumenta o risco de desenvolver câncer de mama, especialmente em mulheres antes da menopausa. Este risco aumenta quanto mais cedo se inicia o contato com o cigarro, quanto mais tempo se passa fumando e quanto maior for a carga tabácica. Da mesma forma, o consumo de álcool também eleva o risco, com um aumento observado para consumos a partir de 3 doses por semana (não importa se é destilado ou vinho). Bruna Campidelli Bibliografia consultada: (https://haddadastolfi.com.br/10-fatos-que-voce-provavelmente-nao-sabia-sobre-o-cancer-de-mama/)

5 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page